Conflitos sobre dinheiro

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Você incluiria em seus planos uma atividade que você mesmo considera sem escrúpulos, apesar de legal, fazendo-a só por dinheiro?

Sou da vertente de que nós deveriamos nos concentrar em fazer o que estamos inclinados a fazer em determinado momento de nossas vidas. Não acredito que seja uma falta de foco ou determinação, mas sim algo mais para liberdade de experimentação, de aquisição de novos conhecimentos, sejam de curto ou longo prazo, mas que possam significar algo positivo para o nosso propósito, de encontrar significado para nossa existência.

Entretanto, a sociedade que nós mesmos criamos, nos suga com todas as forças possíveis e imagináveis, limita nossa capacidade de criação. Chegamos ao ponto de ter de adaptar nossas aspirações aos limites impostos. Digo adaptá-las não no sentido de moldar nossos desejos ao ponto de suprimi-los, mas sim de estabelecer toda uma estratégia para planejar, definir objetivos e buscar o foco necessário, tendo ciência de que a realização depende do esforço que fazemos e que as oportunidades aparecem através da nossa própria atitude. Não estou querendo justificar as razões das minhas próprias limitações, pelo contrário, exponho-as com a certeza de mesmo em um ambiente extremamente favorável aos meus anseios, ainda assim existiriam.

Hoje, praticamente tudo o que fazemos depende de dinheiro, direta ou indiretamente. E na maior parte do tempo, por estarmos tão voltados na sua aquisição, podemos até esquecer valores mais importantes, entrar em conflito com pessoas mais próximas e não dar a mínima importância para quem não conhecemos, passando até a enxergá-las como inimigos, quando deveríamos tratá-las da mesma forma que quiséssemos ser tratados. Nesse ponto minha ignorância me trai na tentativa de compreender melhor essas sensações do ser humano, e acabo por me resguardar e aceitar que aprendi a ter uma visão mais ampla, que me garante um controle maior, mais racional e principalmente mais sincero de minhas atitudes, que procuram evitar tal comportamento.

E assim, chego ao ponto principal, onde ficam os questionamentos e conflitos sobre dinheiro. Tenho um objetivo que é de estudar em Londres, e pesquisando sobre como morar lá, eu acabei por conhecer o mercado de câmbio, a partir daí surgiu o fascínio pelo seu funcionamento, que no meu caso eu poderia simplesmente especular, buscando valorizar meu capital com operações diárias – onde pra alguém ganhar, alguém tem que perder – sem agregar qualquer tipo de crescimento ou desenvolvimento às pessoas. Por um lado, divertido, por outro, escroto. Ingenuidades à parte, é assim que o sistema funciona, e é assim que a sociedade – que resulta da percepção de nossos pensamentos – caminha. Apesar disso, não acho que tenhamos que “obedecer“, cabe a nós procurar outros caminhos e trilhar com a consciência tranquila de que o que estamos a fazer é o mais correto possível.


Desbloqueando meus devaneios

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Comecei a publicar aqui com uma proposta, de ir escrevendo sem pretensões, pra mim mesmo, e como prova de que nós, ou pelo menos eu, nos desviamos do caminho que traçamos inicialmente com uma certa facilidade, este espaço se mostra esquecido pelo seu próprio criador.

Continue lendo


Em constante evolução

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Uma das coisas mais legais que aprendi em 2011 foi não guardar raiva de nada nem ninguém. Aprendi que manter-me com sentimentos ruins relacionados a algo ou alguma pessoa não me fará bem algum. Descobri que ter controle sobre isso é importante para uma vida saudável.

Continue lendo


O compromisso de Fortaleza com os espaços urbanos

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Um amplo debate está sendo não-realizado pelos governantes de Fortaleza, e por que não dizer do Estado do Ceará, acerca das obras de mobilidade urbana.

Eu nem me imagino sendo o urbanista que idealizou o projeto de mais um viaduto há no mínimo 12 anos atrás, na gestão Juraci Magalhães, em que o cenário urbano era outro. Também nem imagino o revisor deste projeto na gestão Roberto Cláudio, já que aparenta ter seguido o ditado “Manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

Continue lendo


A busca incessante

quote post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Escrevi isso em Abril/2013, aparentemente foi um momento de inspiração:

(mais…)


Tijolo com tijolo num desenho lógico

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Acho que posso dizer que tenho um instinto empreendedor, já que meu histórico indica que sempre fui voltado a arriscar aplicar minhas próprias ideias.

Desde a mudança da forma como enxergo algumas coisas, passei a procurar o que eu poderia estar fazendo para efetivamente contribuir com a sociedade.

Continue lendo


Minhas dicas para começar a escrever

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Primeiro de tudo, para começar a escrever sobre alguma coisa, você tem que ter conhecimento, caso contrário você estará simplesmente entregando conteúdo medíocre para você e para os outros.

Continue lendo


Por que construções sustentáveis?

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

Meu entendimento sobre construções sustentáveis é de que o método construtivo deve reduzir o impacto ambiental e promover melhores condições de vida para nós e para os outros seres vivos.

Enquanto vou me aprofundando no assunto, eu descobri que isso pode ser o caminho para conquistar felicidade e realização. Digo isso porque eu recentemente me deparei com a seguinte pergunta – Você faria o seu trabalho de graça? – e eu me esforcei para que eu pudesse responder da forma mais imparcial possível, até que cheguei a uma conclusão satisfatória:

Continue lendo


Why Sustainable Construction?

standard post
thiago  -  
0 Comentários  -  

My understanding of sustainable construction is that the method of construction must reduce environmental impact and provide a better living for us and all of the surrounding living things.

As I go deep into this subject, I discovered that this might be a way to achieve happiness and fulfillment. I’m saying that because I recently thought about a question – Would you do your job for free? – and I struggled to be as impartial as I could to answer it, I came to an answer that was satisfying:

Continue lendo